Chegou a pandemia e com ela uma maré de questões sociais ganhou relevo e urgênciaComo amenizar os efeitos da crise sanitária nas periferias? Como proteger a vida onde ela é mais ameaçada? Como garantir segurança alimentar para as populações vulneráveis? 

Promoção de cidadania e mobilização social estão em nosso DNA, e essas questões não poderiam deixar de nos chamar à açãoFoi com um olhar atento à realidade que nos cerca que descobrimos: não precisaríamos inventar a roda. A nós, caberia ter uma escuta qualificada das iniciativas da sociedade civil de enfrentamento ao novo coronavírus para, a partir daí, tecer juntas redes de cooperação e visibilidade, conectando pessoas e organizações em prol da transformação social. 

Foi assim que surgiu o Periferia Vivauma força-tarefa frente à pandemia de Covid-19 que rapidamente se desenhou a muitas mãos. Mapeamos e cadastramos 108 iniciativas de mobilização até agora, sobretudo nos territórios periféricos da Região Metropolitana de Belo Horizonte. Ao monitorá-las, reconhecemos uma urgência inadiável: o combate à fome nas quebradas, vilas, favelas e comunidades quilombolas e indígenas. Assim, organizamos uma frente específica de arrecadação e distribuição de cestas básicas, a campanha Comunidade Viva Sem Fome, que já distribuiu mais de 100 toneladas de mantimentos. A ação conta com parcerias com a Associação Mineira de Supermercados (Amis), Cáritas Brasileira e o movimento Dias Melhores.